Na semana passada falamos sobre o Redutor de Ruído Intermitente. Hoje é o dia de falarmos sobre o Redutor de Ruído de Vento. E de novo….O que vem a ser isso exatamente? E o mais importante… o quanto esse recurso é importante para o seu tipo de perda auditiva e seu estilo de vida?

Lembrando…. o Redutor de Ruído de Vento reduz ruídos do vento, brisa, etc e também aquele barulho chato que aparece quando abrimos a janela do carro.

Bora responder essas 2 perguntas… 🙂

1. O que faz esse Redutor de Ruído?

Nos aparelhos mais sofisticados esse recurso consegue estimar a velocidade do vento e propor um redução deste som em até 40 dB, dependendo do modelo e marca. Nos demais aparelhos ele muda o tipo de microfone para poder reduzir esse tipo de som.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e dê exemplos reais dos sons que te incomodam. Ele avaliará quais recursos devem ser acionados. Garanto que a regulagem do seu aparelho ficará melhor 🙂

2. Será que você precisa desse recurso?

Depende… se você ama andar de bicicleta, andar na praia ou dirige com a janela aberta… diria que sim. O teste domiciliar é excelente para avaliar a necessidade e efetividade dele.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e pergunte como funciona a redução de ruído de vento e quantos decibéis de redução ele oferece. Tire proveito deste recurso. E se você está testando… pergunte, compare….

Boa semana a todos!

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

Na semana passada falamos sobre o Redutor de Ruído Constante. Hoje é o dia de falarmos sobre o Redutor de Ruído Intermitente. E de novo….O que vem a ser isso exatamente? E o mais importante… o quanto esse recurso é importante para o seu tipo de perda auditiva e seu estilo de vida?

Lembrando…. o Redutor de Ruído Intermitente reduz ruídos como de batida de porta, batida de palmas, louça sendo lavada, etc

Bora responder essas 2 perguntas… 🙂

1. O que faz esse Redutor de Ruído?

A primeira parte de análise do som é igual ao anterior ( voz x ruído) mas a grande diferença está na intensidade e no tempo de duração desse ruído. São sons de intensidade média e/ou alta, de curta duração e de aparecimento repentino. E nesse caso o aparelho auditivo irá avaliar a necessidade de reduzir ou não. Considero esse recurso com um redutor de ruídos chatos… rs

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e dê exemplos reais dos sons que te incomodam. Ele avaliará quais recursos devem ser acionados. Garanto que a regulagem do seu aparelho ficará melhor 🙂

2. Será que você precisa desse recurso?

Boa pergunta. Minha opinião é que nem todos pacientes se incomodam muito com esse tipo de ruído. O teste domiciliar é excelente para avaliar a necessidade dele. Basicamente, esse recurso significa conforto.

Hoje em dia alguns aparelhos básicos já possuem esse tipo de redutor de ruído.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e pergunte quantos decibéis de redução de ruído intermitente seu aparelho auditivo possui. Tire proveito deste recurso. E se você está testando… pergunte, compare….

Boa semana a todos!

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

Hoje é o dia de falarmos sobre o Redutor de Ruídos. O que vem a ser isso exatamente? Mas o mais importante… o quanto esse recurso é importante para o seu tipo de perda auditiva e seu estilo de vida?

Mas primeiro vamos definir os tipos:

Redutor de Ruído Constante: reduz sons como de ar condicionado, carros passando na rua, aspirador, etc.

Redutor de Ruído Intermitente: reduz ruídos como de batida de porta, batida de palmas, louça sendo lavada, etc

Redutor de Ruído de Vento: o nome já diz tudo…. reduz ruídos como de vento, brisa, etc

E vamos falar hoje sobre o primeiro: Redutor de Ruído Constante

Bora responder essas 2 perguntas… 🙂

1. O que faz um Redutor de Ruído?

Resumidamente, o aparelho auditivo faz uma análise de todo o som que capta, depois classifica esses sons captados em 2 categorias: voz e ruído. A partir daí decide o quanto irá amplificar ou reduzir de cada um deles.

Mas o que temos que ter em mente são alguns fatores:

  • O aparelho auditivo atua perifericamente, garantindo que você tenha a percepção do som. Ele pode filtrar esse som captado, mas o cérebro sempre será o responsável pelo entendimento da fala.
  • O aparelho auditivo não sabe quais os sons que te interessam. O que é ruído para você pode ser música para o outro…

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e dê exemplos reais daquilo que você deseja ou não deseja escutar. Garanto que a regulagem do seu aparelho ficará melhor 🙂

2. Será que você precisa desse recurso?

Boa pergunta. Minha opinião é que a grande maioria dos pacientes precisa de algum nível de redução de ruído. Ele traz conforto e facilita a adaptação dos aparelhos auditivos. No início do processo, escutar todos os sons pode ser muito cansativo para o paciente. Pesquisas mostram que o redutor de ruído pode diminuir o esforço auditivo e isso significa menos cansaço para ouvir e entender.

Hoje em dia mesmo aparelhos mais básicos já possuem redutor de ruído.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e pergunte quantos decibéis de redução de ruído seu aparelho auditivo possui. Tire proveito deste recurso. E se você está testando… pergunte, compare….

Boa semana a todos! 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

É isso mesmo …. você leu certo. No último mês de maio saiu essa notícia…no Hearing Health Matters. Essa tecnologia provavelmente estará disponível em 5 anos…

Na verdade trata-se de um equipamento criado por cientistas da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. A idéia é que este aparelho auditivo controlado pela mente permita o usuário focar nas vozes que interessam.

O que está por trás é a habilidade do equipamento em imitar o que nosso cérebro faz naturalmente: amplificar uma voz e deixar o barulho de fundo de lado, mesmo que esse barulho seja de outras pessoas conversando. Trazendo para o nosso dia-a-dia: entender uma voz específica na presença de outras vozes similares.

Este aparelho auditivo controlado pelo cérebro parece ter resolvido esse problema usando uma combinação de inteligência artificial e sensores de atividade cerebral do usuário.

Esse equipamento usa um algoritmo para separar as vozes das pessoas automaticamente, depois as compara com a atividade cerebral do paciente. A voz da pessoa que apresenta o padrão mais próximo às curvas da atividade cerebral do usuário é aumentada, permitindo menos esforço para entender. Na prática: o usuário prestou atenção numa voz, em segundos essa voz fica mais amplificada e nítida.

Mas nem tudo é uma maravilha, por enquanto, para fazer uso dessa tecnologia são necessários eletrodos implantados no cérebro. Para essa pesquisa, os pacientes já tinham esses implantes devido á um tratamento para epilepsia. E outro ponto importante… não tinham perda auditiva.

O próximo passo agora é criar uma versão não invasiva deste aparelho para poder ajudar muitas pessoas . A estimativa destes cientistas é que em aproximadamente 5 anos teremos algo. Mas ainda há muito caminho a ser percorrido…

O que me deixa feliz é que temos gente no mundo todo pesquisando formas de melhorar a performance auditiva das pessoas com dificuldade! 🙂

Boa semana a todos! 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com