Muitos de vocês já devem ter ouvido falar do site americano Hearing Tracker. É um site muito bacana voltado para o consumidor de soluções auditivas, sejam elas aparelhos auditivos ou não. No Brasil temos um site similar que compara aparelhos auditivos chamado Eauriz. Vale a pena conferir! 🙂

Mas voltando…. no Hearing Tracker…. um audiologista chamado Dr Cliff Olson posta diversas coisas interessantes. Essa semana me deparei com este video dele, que fala sobre as mentiras sobre aparelhos auditivos….humildemente vou tentar resumir para vcs.

Basicamente ele fala de 3 grandes mentiras:

  1. ” Esses aparelhos auditivos custam 12.000 dólares mas para você vou fazer somente 6.000 dólares” – Isso não passa de alguma tática comercial para fazer o cliente pensar que está fazendo o negócio da China. Nos EUA o aparelho mais caro custa em torno de 3.000 dólares cada. Logo, o custo do serviço de adaptação deste local é 3.000 por aparelho…. como ele mesmo diz…tem que ter uma qualidade de serviço maravilhosa para cobrar isso..rs……. #ficadica PESQUISE e COMPARE !!!
  2. ” Comprar aparelhos auditivos online é a mesma coisa que comprar numa loja com o especialista, só que mais barato.” – Não é exatamente verdade. O produto pode sim ser o mesmo mas a regulagem será diferente com certeza. Além disso, experimentar o aparelho auditivo antes da compra faz a maior diferença. Aí entra a diferença do serviço. Como ele mesmo coloca… o paciente tem que pensar no futuro: na manutenção, garantia, regulagens necessárias com a evolução da perda auditiva…. tudo isso deve ser levado em conta antes de escolher onde comprar.
  3. ” Os aparelhos auditivos são tão modernos hoje em dia que se ajustam sozinhos e não precisam de testes de verificação (in situ). “ Mentira. Na minha opinião, todos os aparelhos auditivos quando adaptados precisam de algum tipo de verificação para garantir que a quantidade de amplificação fornecida seja adequada para o grau de perda auditiva.

Boa semana a todos! 😉

Por: Mirella Horiuti

Para: www.escuto.com

Há alguns meses atrás tive a oportunidade de encontrar 2 pessoas muito queridas e importantes no meu trajeto profissional. 🙂

Isso mesmo … um encontro com Paula Pfeifer e Luciana Bettega que há mais ou menos 10 anos atrás, quando ninguém falava de surdez abertamente planejaram e colocaram no ar o Crônicas da Surdez.

Só posso dizer que depois de todo esse tempo de estrada, tenho muuuuuito orgulho do que esse projeto se tornou e de quanto ele transforma a vida das pessoas com perda auditiva.

Ter a oportunidade de ver Paula Pfeifer falar em público de toda sua história, perrengues e ver como ela deu a volta por cima….. e o melhor de tudo… como ela inspira e mobiliza as pessoas com e sem perda auditva…não tem preço. Nem preciso dizer o quanto sou fã dela! 🙂

E agora… o projeto #surdosqueouvem !!!!

Obrigada Paulitcha por topar se expor e assim conseguir ajudar tanta gente!!! 😍😍😍

Boa semana a todos! 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: naoescuto.com

Hoje em dia a maioria dos aparelhos auditivos retroauriculares tem algum tipo de proteção contra a umidade.

A proteção que eles possuem é classificada em IP-57, IP- 67 e IP-68. Há algum tempo escrevi um post sobre isso para o Cronicas da Surdez. De 2016 para cá, nada mudou muito. Exceto que a maioria dos aparelhos auditivos tem proteção IP-68. Mas o interessante é que nenhum fabricante mais anuncia seus produtos como ” à prova d’água”.

E por que isso?

A grande verdade é que essas certificações tem como base testes de laboratórios que simulam algumas situações da vida real por um tempo limitado. Por exemplo, um dos testes é mergulhar o aparelho auditivo na água por 30 minutos. Se depois disso, na inspeção não há água no compartimento de bateria e o aparelho está funcionando, o produto passou no teste. Mas é claro que isso não representa o dia-a-dia de uso do aparelho auditivo.

Para mim, o grande vilão de tudo é a periodicidade!!!

Sempre falo para meus pacientes… se por acaso entrarem no chuveiro com seus aparelhos auditivos uma vez, provavelmente nada irá acontecer MAS, se depois do banho, colocarem seu aparelhos auditivos com os cabelos molhados e úmidos ( no caso de aparelhos auditivos retro-auriculares) toda vez… com o tempo teremos problemas técnicos: o aparelho pode começar a falhar, gastar mais pilha, etc

Então ….. o que fazer???

  1. Evite expor seus aparelhos auditivos por muito tempo à umidade
  2. Faça uso de desumidificador elétrico! Essa opção é mais cara mas muuuuuuuuuuito melhor que aquelas sílicas de bolinha. Hoje tem várias opções no mercado. O modelo que uso e conheço é o Perfect DryLux. Posso falar com convicção… é realmente bom. Superou as minhas expectativas! 🙂 Perdi a conta de quantos aparelhos sem funcionar e programar voltaram à vida depois de um tratamento intensivo… rs

Boa semana a todos 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: naoescuto.com

Na semana passada falamos sobre o Redutor de Ruído Intermitente. Hoje é o dia de falarmos sobre o Redutor de Ruído de Vento. E de novo….O que vem a ser isso exatamente? E o mais importante… o quanto esse recurso é importante para o seu tipo de perda auditiva e seu estilo de vida?

Lembrando…. o Redutor de Ruído de Vento reduz ruídos do vento, brisa, etc e também aquele barulho chato que aparece quando abrimos a janela do carro.

Bora responder essas 2 perguntas… 🙂

1. O que faz esse Redutor de Ruído?

Nos aparelhos mais sofisticados esse recurso consegue estimar a velocidade do vento e propor um redução deste som em até 40 dB, dependendo do modelo e marca. Nos demais aparelhos ele muda o tipo de microfone para poder reduzir esse tipo de som.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e dê exemplos reais dos sons que te incomodam. Ele avaliará quais recursos devem ser acionados. Garanto que a regulagem do seu aparelho ficará melhor 🙂

2. Será que você precisa desse recurso?

Depende… se você ama andar de bicicleta, andar na praia ou dirige com a janela aberta… diria que sim. O teste domiciliar é excelente para avaliar a necessidade e efetividade dele.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e pergunte como funciona a redução de ruído de vento e quantos decibéis de redução ele oferece. Tire proveito deste recurso. E se você está testando… pergunte, compare….

Boa semana a todos!

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

Na semana passada falamos sobre o Redutor de Ruído Constante. Hoje é o dia de falarmos sobre o Redutor de Ruído Intermitente. E de novo….O que vem a ser isso exatamente? E o mais importante… o quanto esse recurso é importante para o seu tipo de perda auditiva e seu estilo de vida?

Lembrando…. o Redutor de Ruído Intermitente reduz ruídos como de batida de porta, batida de palmas, louça sendo lavada, etc

Bora responder essas 2 perguntas… 🙂

1. O que faz esse Redutor de Ruído?

A primeira parte de análise do som é igual ao anterior ( voz x ruído) mas a grande diferença está na intensidade e no tempo de duração desse ruído. São sons de intensidade média e/ou alta, de curta duração e de aparecimento repentino. E nesse caso o aparelho auditivo irá avaliar a necessidade de reduzir ou não. Considero esse recurso com um redutor de ruídos chatos… rs

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e dê exemplos reais dos sons que te incomodam. Ele avaliará quais recursos devem ser acionados. Garanto que a regulagem do seu aparelho ficará melhor 🙂

2. Será que você precisa desse recurso?

Boa pergunta. Minha opinião é que nem todos pacientes se incomodam muito com esse tipo de ruído. O teste domiciliar é excelente para avaliar a necessidade dele. Basicamente, esse recurso significa conforto.

Hoje em dia alguns aparelhos básicos já possuem esse tipo de redutor de ruído.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e pergunte quantos decibéis de redução de ruído intermitente seu aparelho auditivo possui. Tire proveito deste recurso. E se você está testando… pergunte, compare….

Boa semana a todos!

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

Hoje é o dia de falarmos sobre o Redutor de Ruídos. O que vem a ser isso exatamente? Mas o mais importante… o quanto esse recurso é importante para o seu tipo de perda auditiva e seu estilo de vida?

Mas primeiro vamos definir os tipos:

Redutor de Ruído Constante: reduz sons como de ar condicionado, carros passando na rua, aspirador, etc.

Redutor de Ruído Intermitente: reduz ruídos como de batida de porta, batida de palmas, louça sendo lavada, etc

Redutor de Ruído de Vento: o nome já diz tudo…. reduz ruídos como de vento, brisa, etc

E vamos falar hoje sobre o primeiro: Redutor de Ruído Constante

Bora responder essas 2 perguntas… 🙂

1. O que faz um Redutor de Ruído?

Resumidamente, o aparelho auditivo faz uma análise de todo o som que capta, depois classifica esses sons captados em 2 categorias: voz e ruído. A partir daí decide o quanto irá amplificar ou reduzir de cada um deles.

Mas o que temos que ter em mente são alguns fatores:

  • O aparelho auditivo atua perifericamente, garantindo que você tenha a percepção do som. Ele pode filtrar esse som captado, mas o cérebro sempre será o responsável pelo entendimento da fala.
  • O aparelho auditivo não sabe quais os sons que te interessam. O que é ruído para você pode ser música para o outro…

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e dê exemplos reais daquilo que você deseja ou não deseja escutar. Garanto que a regulagem do seu aparelho ficará melhor 🙂

2. Será que você precisa desse recurso?

Boa pergunta. Minha opinião é que a grande maioria dos pacientes precisa de algum nível de redução de ruído. Ele traz conforto e facilita a adaptação dos aparelhos auditivos. No início do processo, escutar todos os sons pode ser muito cansativo para o paciente. Pesquisas mostram que o redutor de ruído pode diminuir o esforço auditivo e isso significa menos cansaço para ouvir e entender.

Hoje em dia mesmo aparelhos mais básicos já possuem redutor de ruído.

#ficadica – fale com seu fonoaudiólogo e pergunte quantos decibéis de redução de ruído seu aparelho auditivo possui. Tire proveito deste recurso. E se você está testando… pergunte, compare….

Boa semana a todos! 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

É isso mesmo …. você leu certo. No último mês de maio saiu essa notícia…no Hearing Health Matters. Essa tecnologia provavelmente estará disponível em 5 anos…

Na verdade trata-se de um equipamento criado por cientistas da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. A idéia é que este aparelho auditivo controlado pela mente permita o usuário focar nas vozes que interessam.

O que está por trás é a habilidade do equipamento em imitar o que nosso cérebro faz naturalmente: amplificar uma voz e deixar o barulho de fundo de lado, mesmo que esse barulho seja de outras pessoas conversando. Trazendo para o nosso dia-a-dia: entender uma voz específica na presença de outras vozes similares.

Este aparelho auditivo controlado pelo cérebro parece ter resolvido esse problema usando uma combinação de inteligência artificial e sensores de atividade cerebral do usuário.

Esse equipamento usa um algoritmo para separar as vozes das pessoas automaticamente, depois as compara com a atividade cerebral do paciente. A voz da pessoa que apresenta o padrão mais próximo às curvas da atividade cerebral do usuário é aumentada, permitindo menos esforço para entender. Na prática: o usuário prestou atenção numa voz, em segundos essa voz fica mais amplificada e nítida.

Mas nem tudo é uma maravilha, por enquanto, para fazer uso dessa tecnologia são necessários eletrodos implantados no cérebro. Para essa pesquisa, os pacientes já tinham esses implantes devido á um tratamento para epilepsia. E outro ponto importante… não tinham perda auditiva.

O próximo passo agora é criar uma versão não invasiva deste aparelho para poder ajudar muitas pessoas . A estimativa destes cientistas é que em aproximadamente 5 anos teremos algo. Mas ainda há muito caminho a ser percorrido…

O que me deixa feliz é que temos gente no mundo todo pesquisando formas de melhorar a performance auditiva das pessoas com dificuldade! 🙂

Boa semana a todos! 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

Essa pergunta sempre me fazem… há alguns anos participei de um congresso no qual esse tema era debatido. No final, tinha gente que achava que sim… outros que não. Mas numa coisa todos concordaram… com o passar do tempo, os recursos dos aparelhos premium passam a fazer parte das outras linhas pois a tecnologia está sempre em evolução. A indústria está sempre criando coisas novas.

Na verdade, essa semana li algumas coisas muito interessantes sobre isso e também sobre vender ou não vender um aparelho top de linha. Confesso que fiquei um pouco pensativa… e resolvi dar minha opinião sobre o tema.

Sei que os fabricantes investem tempo e muito dinheiro no desenvolvimento de novos recursos e produtos visando a melhora do entendimento da fala. Posso falar de carteirinha pois trabalhei em um deles por muito tempo.

Mas vamos lá… essa é a minha opinião pessoal. 🙂

Para mim, tudo é muito simples. Mas, como diz uma grande amiga minha, fazer o óbvio não é nada fácil.

O papel do fonoaudiólogo, que é um profissional de saúde, não é vender um aparelho auditivo. Infelizmente muitos colegas e donos de empresas esquecem disso.

Nosso compromisso é com a saúde auditiva do paciente: avaliar suas necessidades auditivas e suas preferências. A partir daí sim, encontrar a melhor solução auditiva que o atenda.

Logo, se com um aparelho auditivo básico, intermediário ou avançado as necessidades e preferências são atendidas, não vejo motivo de selecionar um produto mais sofisticado e caro.

E mais uma coisa…. a tecnologia tem evoluído tanto que mesmo esses aparelhos auditivos menos ” High Tech” dispõem de muitos recursos!

Mas sempre digo aos meus pacientes que antes de comprar devem TESTAR várias tecnologias para ter certeza… a análise dos resultados do teste domiciliar é o que irá definir a melhor tecnologia para cada futuro usuário.

Boa semana a todos! 🙂

­

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

Quase sem perceber um se ano passou desde meu último post … mas, na verdade, o que realmente importa é que estou aqui de volta… firme e forte !!!

Muita coisa mudou…. aparelhos novos no mercado, fabricantes comprando fabricantes, regulamentação e início de comercialização de OTC , etc . E tenho certeza que mais novidades vem por aí!

Acho que 2019 é o ano da surdez ficar em evidência , essa doença “invisível” que atrapalha a vida de muita gente!
Em março deste ano a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que 900 milhões de pessoas em todo o mundo poderão vir a ter surdez até 2050, quase o dobro da quantidade atual.

A EAR PARADE , o primeiro evento de arte urbana no mundo relacionado à saúde auditiva, é uma campanha da FORL ( Fundação Otorrinolaringologia) que já está dando o que falar !!!

Ontem, quando vi e ouvi a campanha Sonoros da Menthel, me arrepiei e vi nesses relatos vários dos meus pacientes. Só tenho que elogiar o trabalho destes 2 seres humanos sensacionais que comandam essa empresa …

E é claro, não poderia deixar de mencionar o trabalho sensacional que a minha grande amiga Paula Pfeifer vem fazendo há anos por meio do @cronicasdasurdez. Quando ele recebeu a premiação do Facebook quase tive um treco! Imagine ela… vendo seu trabalho reconhecido !!!! E agora o projeto @surdosqueouvem vai bombar por aí!

Vamos lá gente, vamos apoiar todas essas iniciativas! 🙂

Vamos fazer nossa parte! Entrem nos links, curtam, compartilhem, mudem a foto do seu perfil!

Vamos fazer acontecer!!!

Boa semana a todos! 🙂

Por: Mirella Horiuti

Para: www.naoescuto.com

 

Abaixo e na íntegra… mais um post no Cronicas da Surdez!  Muito feliz pela oportunidade : )

#loveyouPaulitcha

Quando minha querida amiga Paula me chamou para falar desse tema…. pensei… como é que ela sabe que estou estudando isso? Na verdade, os méritos do meu conhecimento se devem às fonoaudiólogas Laura Mochiatti que mergulhou de cabeça no tema ( que é sua tese de mestrado), à Ana Claudia Vieira  ( sua orientadora ) e nossas incansáveis discussões.  🙂

 

Ao pé da letra, o termo memória auditiva significa:  a habilidade de lembrar palavras ou sons.

Falando mais sobre essa memória auditiva,  ela é classificada como de “curto prazo”. Ou seja,  ela é a capacidade cerebral de utilizar uma certa quantidade de informação por um curto período de tempo (15 a 30 segundos em média). É a informação que estamos pensando naquele momento ou que estamos tomando conhecimento. Depois de adultos, a duração de quanto tempo retemos a informação e a quantidade de informação armazenada pode ser treinada e aumentada. Mas durante atividades ou tarefas que envolvam duplo processamento, ou seja, duas tarefas realizadas ao mesmo tempo, a capacidade desta memória operacional torna-se limitada devido à distribuição das demandas cognitivas para diferentes respostas exigidas pelas tarefas, como por exemplo, a recordação de palavras e emissão das mesmas. de forma ordenada após uma tarefa de percepção de sentenças.

 

O processo de criar uma memória envolve algumas etapas: primeiro ouvimos o som (ou seja percebemos- estamos falando de audibilidade), depois escutamos esse som ( damos atenção ao que ouvimos) e na sequencia “armazenamos”  em algum local no nosso cérebro. Pronto … a memória está criada e armazenada.

Mas a segunda fase é na minha opinião a mais complexa de todas:  é o escutar o som e buscar nesse armazenamento a memória auditiva compatível para podermos entender o que se fala.

 

Para normo-ouvintes,  essa segunda etapa se torna mais difícil quando a situação não é favorável, ou seja, em locais ruidosos, com vários falantes ao mesmo tempo, voz fraca e mal articulada do falante, etc.

O que acaba acontecendo é um esforço enorme, chamado atualmente de “esforço auditivo” que nada mais é do que  toda atenção e recursos cognitivos necessários que usamos para se entender a fala.

 

No caso de um deficiente auditivo, esse esforço acontece o tempo todo.

 

E qual a relação do esforço auditivo com a memória?  Uma relação enorme, que já vem sendo estudada há alguns anos.

Há estudos que comprovam que quanto melhor nossa memória operacional, menor nosso esforço auditivo. E ainda que pessoas que são ótimos leitores tem uma memória operacional melhor.

Se pensarmos nisso, com um esforço auditivo menor, a performance no  quesito “ entender as conversas”  com certeza vai melhorar.

 

E como posso melhorar minha habilidade de memória auditiva?  Faça uma avaliação com seu fonoaudiólogo de confiança e veja as opções para seu caso.

 

Boa semana a todos!  🙂

 

Por: Mirella Horiuti

Para:  www.naoescuto.com